Cinco primeiros passos para ser um professor reflexivo

Cinco primeiros passos para ser um professor reflexivo

Talvez alguns (ou muitos) de vocês estejam se perguntando o real significado do conceito professor reflexivo. Talvez também estejam interessados em conhecer a proposta deste blog e, talvez, pensando sobre o que ele pode trazer de novo para seus estudos e práticas. Bem, vamos começar pelo começo.

O conceito professor reflexivo foi desenvolvido pelo professor de Estudos Urbanos no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, Donald Schön (1930 – 1997), entre as décadas de 1980 e 1990. Para construir sua tese de doutorado, em 1983, utilizou Dewey, Polanyi, Wittgenstein Luria e Kuhn como referências.

Schön defendia um outro modo de formar profissionais. Para ele, ao invés da clássica sequência formativa – apresentação teórica, aplicação prática e estágio – deveríamos valorizar a experiência refletida desde o começo. Em sua concepção, apenas através da prática profissional, problematizada, analisada e refletida, passa-se a conhecer efetivamente.

Esse modo de conceber a formação profissional, especialmente a do professor, que nos interessa de modo particular, foi muito criticado. E por quê? Essa aproximação com a realidade só não traz benefícios?

Depende. O enfoque de Schön é tido como reducionista. O objetivo do autor não é transformar as instituições e a sociedade, mas focar nas situações de sala de aula; naquilo que, teoricamente, depende apenas dos esforços do professor.

Supervalorizando a ação individual e a prática do professor, limitamos o alcance do conceito professor reflexivo e as contribuições que nossos pares e a teoria podem nos oferecer. Pimenta (2000 apud PIMENTA; GHEDIN, 2012, p. 28), assegura:

O saber docente não é formado apenas da prática, sendo também nutrido pelas teorias da educação. Dessa forma, a teoria tem importância fundamental na formação dos docentes, pois dota os sujeitos de variados pontos de vista para uma ação contextualizada, oferecendo perspectivas de análise para que os professores compreendam os contextos históricos, sociais, culturais, organizacionais e de si próprios como profissionais.

Sendo assim, cabe a nós expandir o conceito em estudo. Este é o objetivo deste blog. Desejamos criar um espaço para que você, professor, sinta-se instigado a refletir sempre. Vamos lá, seja nosso parceiro! Que tal começarmos pelos seguintes pequenos passos?

1. Professor reflexivo: reflete em conjunto

Nada de posturas tímidas ou arrogantes. É importante conhecer o que pensamos, porquê pensamos e as implicações de nossos pensamentos. Conversar com outros colegas sobre nossas conclusões é fundamental, independente de termos bases conceituais afins.

2. Professor reflexivo: passa do praticismo à práxis

melhore sua prática a partir das teorias e ressignifique-as através de seu fazer

O que isso significa? Que não construiremos nossos conhecimentos apenas através da prática, posto que isso não seria possível.  Que possamos analisar criticamente nossas práticas, o que só pode ser feito com o estudo e conhecimento de teorias que embasam a educação, e que também ressignifiquemos essas teorias através da experiência profissional. Isso é promover práxis (ação refletida).

3. Professor reflexivo: luta por tempo para pesquisar

Não nos tornamos críticos de uma hora pra outra. Essa mudança não se dá via decreto. É preciso proporcionar aos professores as devidas condições para a pesquisa. Isso significa tempo para estudo e aproximação da universidade.

4. Professor reflexivo: preza por seu desenvolvimento profissional

Desenvolvimento profissional não corresponde à formação inicial e continuada. Desenvolver-se profissionalmente implica a consideração de nossos processos formativos, a valorização de nossas experiências e a melhoria das condições concretas de trabalho docente.

5. Professor reflexivo: reivindica autonomia coletiva

Nossa voz e nossas necessidades precisam ser levadas em consideração. Que possamos negar medidas impostas de cima para baixo, como reformas curriculares, e prescrições as mais variadas possíveis. Enquanto grupo escolar, temos condições de elaborar nossos projetos políticos e pedagógicos, executá-los e avaliá-los de acordo com nossas concepções de educação, sujeito e sociedade.

Quer compartilhar conosco seus pensamentos sobre o artigo? Vamos adorar. Escreva pra gente nos comentários.

Referência

PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro (Orgs). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *